Posts tagged ‘usinas nucleares’

07/01/2015

Porque opor-se a usinas nucleares? Da inquietação ao pânico. Ou à indignação?

Votos de Ano Novo com um texto sobre o nuclear

Que estranho… Um assunto tão longínquo…Será que o amigo Chico endoidou de vez, com a ideia fixa que se instalou em sua cabeça depois do acidente de Fukushima em 2011? Quantos brasileiros ainda se lembram desse acidente? E o próprio governo japonês não vai reabrir duas usinas? As nossas de Angra não continuam pacificamente fornecendo 2% da energia elétrica oferecida no país?

Em pleno início de um novo mandato presidencial, porque não concentrarmos nossa atenção nos desafios e dúvidas que ele carrega? Ou em todos os demais problemas que temos que enfrentar: reforma política, insegurança, corrupção, droga, desigualdade social, trabalho, moradia, mobilidade urbana, saúde, entre tantos outros… E o aquecimento global, com o possível novo desastre político da conferência sobre o clima em Paris em Dezembro de 2015?

Pode ser. Mas não dá para deixar de lado, para depois, a atenção e a ação no assunto usinas nucleares. É urgente demais. A cada dia que passa temos que nos felicitar por não ter ocorrido um novo acidente grave em qualquer lugar do mundo em que existam essas usinas. E a cada dia que passa mais se acumula “lixo radioativo” delas proveniente: um legado tenebroso que já estamos deixando para nossos filhos, netos, bisnetos e tataranetos, a “esconder” pela eternidade, para que ninguém dele se aproxime e muito menos o toque. Enquanto isso aumenta a pressão comercial para que se construam usinas pelo mundo afora.

De 2011 para cá, fui sendo relembrado de tragédias como Goiânia e Chernobyl. Fui tomando conhecimento de coisas que não sabia, como os riscos que corremos com o simples funcionamento de usinas nucleares, desde o momento em que tiramos o urânio da terra para usá-lo como combustível. Constatei o nível de desinformação em que somos mantidos, e quão imprevisíveis e incontroláveis são as “falhas múltiplas” que podem provocar acidentes mais graves. Uma viagem ao Japão me mostrou que tais acidentes não são somente “acidentes”: são “catástrofes sociais”. Vi de perto o sofrimento das vítimas, assim como a irresponsabilidade dos que ganham dinheiro com o nuclear e dos políticos que lhes dão cobertura.

São coisas que angustiam. Não posso me esquecer de tudo isso ao fazer votos para 2015. Que consigamos, neste Novo Ano, elevar um pouco que seja a consciência dos brasileiros sobre a insanidade do nuclear, e que mais gente passe a participar do trabalho de informação geral sobre o assunto. Com a esperança de que o Papa Francisco, na encíclica que prepara sobre ecologia para este ano, diga uma palavrinha que seja para alertar a Humanidade sobre todos esses crimes anunciados.

Ver abaixo e tambem em:  http://www.chicowhitaker.net/index.php

 

Porque opor-se a usinas nucleares? Da inquietação ao pânico. Ou à indignação?

Chico Whitaker, dezembro de 2014

É perigoso viver no mundo. Não tanto por causa daqueles

 que fazem o mal, mas por causa daqueles que olham e deixam que aconteça.

Albert Einstein[1]

Quando se questiona o uso da energia nuclear, na matriz energética brasileira, o primeiro argumento de quem a defende é de que só ela pode oferecer energia sem interrupção. E que já nisso ela é muito superior à hidráulica, porque a agua que move as turbinas pode faltar. E à solar – que não produz eletricidade à noite – ou à eólica – que deixa de produzi-la quando o vento para. Além disso, por que prescindir da energia nuclear, se a demanda de energia elétrica, num país em desenvolvimento, é crescente, e isto nos obriga a utilizar todas as opções existentes, ainda mais quando as “alternativas” que, embora existam, produzem energia ainda muito cara?

read more »